PT anuncia apoio a Rodrigo Pacheco para a Presidência do Senado

PT anuncia apoio a Rodrigo Pacheco para a Presidência do Senado
O líder do partido, Rogério Carvalho (à esquerda), e Paulo Rocha em foto de fevereiro de 2019: ambos justificaram a opção do PT pelo senador do DEM de Minas Gerais.
Créditos: Senado

A bancada do PT no Senado anunciou em nota, nesta segunda-feira (11), que decidiu por unanimidade entre seus seis integrantes apoiar o nome do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para a presidência da Casa. A candidatura ainda não foi lançada oficialmente.

A nota, assinada pelo líder do partido no Senado, Rogério Carvalho (SE), e pelo vice, Jaques Wagner (BA), explica que a decisão foi tomada “considerando a grave situação econômica, social e política do Brasil” e também “a necessidade de reforçar a institucionalidade e legalidade democráticas”.

Pela internet, o senador Paulo Rocha (PT-PA) explicou os motivos do anúncio da decisão do partido já nesta data.

“Nós da bancada do PT no Senado Federal entendemos que é imperioso a todas as bancadas adotarem publicamente um compromisso pela integridade e independência do Senado, em respeito em suas funções constitucionalmente designadas, em prol do correto desempenho das instituições”, declarou.

A eleição dos novos membros da Mesa do Senado será em fevereiro. Ela é composta pelo presidente, dois vice-presidentes e quatro secretários (com respectivos suplentes). A escolha ocorre durante reunião preparatória que segue procedimentos definidos pelo Regimento Interno.

Confira abaixo a nota do PT do Senado Federal na íntegra:

A Bancada do PT e a eleição da Mesa do Senado Federal

A Bancada do PT no Senado, considerando a grave situação econômica, social e política do país; e, considerando a necessidade de reforçar a institucionalidade e a legalidade democráticas no âmbito do Estado brasileiro, decidiu por unanimidade apoiar a candidatura do Senador Rodrigo Pacheco (DEM/MG) para a Presidência do Senado Federal, tendo em vista dois aspectos centrais:

Assegurar a função constitucional e institucional do Poder Legislativo, em seu papel precípuo de atuação independente e harmônica em relação aos demais poderes constituídos, representando por meio dos mandatos parlamentares a legitimidade popular, preservando sua posição altiva, insubmissa e basilar no arranjo democrático, buscando sempre uma representação mais igualitária do povo brasileiro; e

Propor agenda para contribuir com a superação da gravíssima crise que o Brasil atravessa, que perpassa esforço corrente para rejeitar iniciativas voltadas para o desmonte do Estado Democrático de Direito, incluindo propostas visando minar direitos civis, políticos, sociais e econômicos, muitas delas carentes de transparência e estofo técnico e científico.