Trabalhadores votam para iniciar greve na mina de Escondida no Chile


O Sindicato número 1 dos trabalhadores da mina de Escondida, no Chile, afirmaram em comunicado divulgado na noite de sábado para domingo que uma proposta de greve foi aprovada por 99,5% dos votos. A representação sindical diz que o resultado "contundente" contesta a versão da BHP de que havia feito uma proposta que melhora as condições atuais na mina, a maior do mundo em produção de cobre na atualidade. O texto não menciona uma data para o início da greve nem detalha os termos da eventual paralisação.

O sindicato acusa a empresa de fazer uma proposta que estende jornadas de trabalho, aumenta exigências operacionais e afeta trabalhadores doentes, sendo que os bônus ofertados pela companhia foram vistos como compensação insuficiente pela "perda definitiva de condições" para os trabalhadores. Segundo o sindicato, com a votação agora terá de ser discutida entre as partes uma pauta que inclui planos de carreira, compensações variáveis por desempenho e ajustes em benefícios para a educação dos filhos dos funcionários, por exemplo.

O comunicado insiste na proposta de que 1% dos dividendos entregues ao investidores estrangeiros sejam destinados aos trabalhadores. O sindicato ainda pede que a empresa negocie, "se deseja evitar um extenso conflito, que poderia ser o mais custoso da história sindical do país".