Moraes dá 30 dias para PF ouvir Bolsonaro no inquérito sobre interferência

Moraes dá 30 dias para PF ouvir Bolsonaro no inquérito sobre interferência
Ao examinar a manifestação da AGU, o ministro concluiu que a análise do caso pelo tribunal ficou ‘prejudicada’.
Foto: EBC

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou quinta-feira, 7, que a Polícia Federal tome o depoimento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no inquérito que apura se ele tentou interferir politicamente na corporação. O prazo dado aos investigadores foi de 30 dias.

A decisão foi tomada depois que o presidente se antecipou ao julgamento no STF sobre a modalidade do interrogatório e comunicou que se apresentará pessoalmente diante dos investigadores. Ao tribunal, a Advocacia-Geral da União (AGU), que representa os interesses do Planalto, disse que a mudança de posição teve como motivação a ‘plena colaboração’ com as apurações.

Como mostrou o Estadão, a tendência entre os ministros era obrigar o presidente a responder presencialmente aos questionamentos. A matéria ficou quase um ano parada na Corte e, após a manifestação da AGU, foi para gaveta sem um posicionamento do tribunal. O entendimento poderia ser aplicado em outros inquéritos em que o presidente é investigado e deve ser chamado a depor - pelo vazamento de dados de um inquérito sigiloso da PF sobre a invasão de hakers ao sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); pela transmissão ao vivo na qual prometia apresentar provas de fraudes nas urnas eletrônicas; e por possível prevaricação ao ser comunicado de supostas irregularidades no processo de aquisição da vacina Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Diante do recuo do Planalto na tarde de quarta-feira, minutos antes do julgamento, Moraes pediu que o processo fosse retirado da pauta de julgamentos. Ao examinar a manifestação da AGU, o ministro concluiu que a análise do caso pelo tribunal ficou ‘prejudicada’.