Digitalização amplia negócios dos pequenos comerciantes

Durante a pandemia, a digitalização dos pequenos comércios foi essencial para manterem vivos os negócios. Os marketplaces cresceram e se especializaram com vendas através de plataformas simples de usar e que ajudaram os lojistas a se reinventarem e a expandirem sua atuação digital através do e-commerce.

Dados da Abcomm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) apontam uma alta de 68% de todo o ecommerce no país em 2020. No caso dos pequenos lojistas, o comércio virtual não só sustentou os negócios como veio para ficar. É o caso da Sandra Quintas, 52 anos, que conseguiu ampliar o seu negócio no auge da primeira onda da pandemia, utilizando o ecossistema Wabi, que reúne quatro plataformas voltadas para as vendas dos pequenos comerciantes, especialmente aqueles que não estavam digitalizados antes da pandemia.

Uma parte do espaço do restaurante da empresária, o D'Forno, localizado no bairro Sacomã/Ipiranga, na Zona Sul de São Paulo, foi adaptado para vender produtos de mercearia. "Passamos a comercializar alimentos e bebidas industrializados através do aplicativo Wabi Casa, a plataforma de delivery que funciona similar ao Uber", explica ela. No Wabi Casa, o consumidor entra no aplicativo, faz o pedido e o primeiro pequeno comércio da região que aceitar fica com a venda e a responsabilidade da entrega. O frete não é cobrado ao cliente.

Para Sandra, entrar para o aplicativo logo no início do isolamento social salvou o seu negócio. Em março deste ano, toda a sua família foi contaminada pela Covid-19 e alguns foram hospitalizados. "Neste momento, precisei fechar o restaurante, mas a mercearia continuou bombando. Wabi foi a minha única fonte de renda", afirma ela, que chega a fazer de 60 a 70 entregas por dia, aumentando seu faturamento em 50% por mês.

No caso de Diego Barros, 40 anos, dono do mercadinho Irmãos Monteiro, localizado em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, suas vendas aumentaram mais de 50% depois que entrou para aplicativo Wabi Casa. Segundo ele, Wabi foi sua primeira experiência com o aplicativo - antes da pandemia ele nem sonhava com digitalização. "Deu muito certo. Hoje eu acompanho os pedidos e faço as entregas, já que o raio de entrega é de 1 km, tudo muito próximo. O app me entrega tudo mastigado, é mais do que eu esperava", diz ele, que faz uma média de 900 entregas mensais.

A plataforma, impulsionada pela Coca-Cola, já chegou em 16 países e movimentou mais de R$ 24 milhões em vendas em 2020 no Brasil. Foram cerca de 562 mil pedidos de consumidores a estabelecimentos do Rio de Janeiro e São Paulo, que, por sua vez, fizeram 5,5 mil pedidos a 30 empresas atacadistas e distribuidores dos mesmos estados. Para 2021, Wabi quer multiplicar oito vezes seu faturamento.

Segundo Carla Papazian, gerente geral de Wabi no Brasil, uma outra plataforma do ecossistema, o Wabi2b, possibilita as vendas entre a indústria e os varejistas, evitando que se desloquem para compras presenciais. "Os lojistas têm a possibilidade de reabastecer seus estoques sem sair de suas lojas, inclusive aproveitar oportunidades de promoções. As condições oferecidas facilitam muito os micros e pequenos empreendedores de alimentos e bebidas", completa ela.