Para perseguir a ex, ex-diretor da Polícia do DF usou até telefone de chefe de gabinete

Geral
Tipografia
  • Pequenina Pequena Media Grande Gigante
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
O ex-diretor da Polícia Civil do Distrito Federal, delegado Robson Cândido, usou o telefone de seu ex-chefe-de-gabinete - seu sucessor no comando da corporação -, José Werick de Carvalho, para perseguir a ex-namorada. Segundo denúncia do Ministério Público do DF, Cândido usou o terminal corporativo da Polícia Civil em nome de Werick para ligar e mandar mensagens à sua ex quando ela bloqueava as chamadas em meio a tentativas de rompimento do relacionamento.

Cândido foi preso preventivamente no dia 4 de novembro na Operação Vigia - Werick, então, o sucedeu. A ordem de prisão do delegado foi mantida no despacho judicial que o colocou no banco dos réus - na semana passada, o juiz Frederico Ernesto Cardoso Maciel, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Águas Claras, acolheu a denúncia formal da Promotoria e deu dez dias para a defesa se manifestar.

As ligações de Cândido, via telefone de Werick, novo diretor-geral da Polícia, foram realizadas entre 15 de abril de 2023 e 7 de agosto. Cândido não fez uso apenas do telefone de Carvalho para perseguir a ex, segundo o Ministério Público. Os ramais de outros três integrantes da Polícia Civil do DF também foram acionados pelo delegado acusado.

A Promotoria narra que o ex-chefe da corporação 'ultrapassava a barreira imposta' por Jéssica, no caso o bloqueio, 'perturbando sua tranquilidade e privacidade' usando as linhas corporativas da Polícia.

As informações constam da denúncia do Ministério Público que foi recebida pela Justiça do DF na sexta, 17.

Com a decisão, Cândido agora responde a ação penal sobre os crimes de stalking, violência psicológica e outros delitos relacionados ao uso indevido do cargo para conseguir informações sobre a ex - interceptação telemática sem autorização judicial e com objetivos não autorizados em lei, corrupção passiva privilegiada, peculato, e violação de sigilo funcional qualificado.

COM A PALAVRA, O DELEGADO ROBSON CÂNDIDO

A reportagem do Estadão buscou manifestação do ex-diretor-geral da Polícia Civil do DF, delegado Robson Cândido, mas não houve resposta até a publicação deste texto. O espaço está aberto.

COM A PALAVRA, A POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) informa que as recentes nomeações para cargos de gestão sinalizam o início de um novo período institucional.

A instituição também informa que participa das apurações, em colaboração com o Ministério Público, com autonomia e transparência para que os fatos seja completamente esclarecidos.

Em outra categoria

Aberta neste sábado, 2, a exposição Lygia Clark: Projeto para um Planeta ocupa as sete galerias expositivas da Pinacoteca do Estado de São Paulo e reúne 150 obras.

As criações pertencem a diferentes fases criativas da carreira da artista mineira, um dos mais importantes nomes da arte brasileira contemporânea - sua obra desafia as fronteiras entre o papel do artista e do público e propõe uma nova relação entre corpo e objeto.

Entre as obras selecionadas pelas curadoras Ana Maria Maia e Pollyana Quintella estão Relógio de Sol (1960), da série Bichos, e a importante série Escadas (1948-51).

Um aspecto importante da criação da artista está contemplado na exposição: a reação do público e a interação com as obras. No eixo central da mostra, foram colocadas réplicas da série Bichos, que podem ser manuseadas pelos visitantes.

Neste primeiro final de semana da mostra, haverá uma série de intervenções artísticas feitas por bailarinos da São Paulo Companhia de Dança, em diálogo com a criação de Clark. Também estão programadas conversas com especialistas como Gina Ferreira e Lula Wanderley (dia 2) e Suely Rolnik e Paulo Sérgio Duarte (dia 3). No dia 8, haverá visita especial com as curadoras.

Em tempo: no Edifício Pina Estação, que integra o complexo da Pinacoteca, esta é a última semana para ver a mostra Mirabilia, panorama da criação do artista Alex CCervený. l

Pinacoteca Luz. Pça. da Luz, 2,

Luz. Quando: De 2/3 a 4/8.

De quarta a segunda, das 10h às 18h.

R$ 30 (gratuito aos sábados).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Izabela Cunha, ex-noiva de Luan Santana, usou seu Instagram para desabafar sobre as mensagens que vem recebendo desde que o cantor reatou o namoro com Jade Magalhães.

Nesta quarta-feira, 28, a influenciadora falou sobre os ataques vem recebendo. "Hoje venho aqui pedir o melhor de vocês que lerem essa mensagem. Transmitam luz e paz... o mundo precisa disso! Eu acredito que o respeito é a base de tudo na vida! E eu respeito todos! Respeito o Luan, que convivi por quase 3 anos e tivemos muitos momentos felizes", escreveu.

Ela ainda ressaltou que, durante seu relacionamento com o cantor, sempre respeitou a história dele com Jade. "Respeitava a história que ele tinha vivido com a Jade e jamais incitei ou quis rivalidade entre duas mulheres do bem, e continuo respeitando e desejando que sejam felizes".

A influenciadora finalizou seu discurso desejando que a internet volte a ser um ambiente saudável. "Talvez um dia a internet possa voltar a ser um ambiente mais saudável em que todo mundo só espalhe amor para o outro".

Luan Santana usou seu Instagram nesta quarta-feira, 28, para confirmar que reatou relacionamento com Jade Magalhães. A especulação sobre a volta dos dois começou após eles serem flagrados juntos na última semana.

Na publicação, o cantor se declarou para a amada. "Eu te conheci dançando, eu te namorei caminhando, te imaginei de noiva, voando. Mas eu te perdi, caindo. Foi fod* ver ela indo", escreveu.

Os dois terminaram o noivado em 2020, após 12 anos de relacionamento. Em 2021, o cantor sertanejo começou a namorar com Izabela Cunha. Eles ficaram noivos, mas terminaram em maio do ano passado. Jade não assumiu nenhum relacionamento público depois do término.

*Estagiária sob supervisão de Charlise Morais

Jessie J irá retornar ao Brasil para dois shows. O anúncio foi feito por meio das redes sociais da Tickets For Fun. A cantora vai se apresentar no Espaço Unimed, em São Paulo, e no Vivo Rio, no Rio de Janeiro. Os shows serão, respectivamente, nos dias 30 de abril e 2 de maio.

Para os fãs da capital paulista, os ingressos estão sendo vendidos no site da Tickets For Fun (com taxa) e na bilheteria do Teatro Renault (sem taxa). Lauren Jauregui fará o show de abertura.

No Rio de Janeiro, clientes Vivo Valoriza têm direito a pré-venda exclusiva, que já está disponível e se encerra no sábado, às 10h. Na segunda-feira, 4, a venda geral começa às 10h.

A última performance de Jessie J no Brasil foi em 2022, no Rock in Rio.

Confira valores dos ingressos:

São Paulo

Pista premium: R$ 360 (meia entrada) e R$ 720 (inteira);

Pista: R$ 190 (meia entrada) e R$ 380 (inteira);

Mezanino: R$ 375 (meia entrada) e R$ 750 (inteira);

Camarote A: R$ 340 (meia entrada) e R$ 680 (inteira);

Camarote B: R$ 325 (meia entrada) e R$ 650 (inteira).

Rio de Janeiro

Pista premium: R$ 295 (meia entrada) e R$ 590 (inteira);

Pista: R$ 175 (meia entrada) e R$ 350 (inteira);

Camarote A: R$ 260 (meia entrada) e R$ 520 (inteira);

Camarote B: R$ 250 (meia entrada) e R$ 500 (inteira);

Balcão: R$ 160 (meia entrada) e R$ 320 (inteira);

Frisa: R$ 200 (meia entrada) e R$ 400 (inteira).

* Estagiária sob supervisão de Charlise Morais